×

Especial: 30 anos da tragédia de Hillsborough

por Rodrigo


Postado em 15 April 2019 as 13:01 Horas



Foi no dia 15 de abril de 1989 que aconteceu a maior tragédia da história do futebol inglês. Naquele dia, Liverpool x Nottingham Forest se enfrentaram em jogo válido pela semifinal da Copa da Inglaterra, em um jogo que está muito longe de ter um apito final. Aquela partida que foi interrompida nos minutos iniciais, foi retomada um mês depois, mas o resultado foi o pior possível. Foram 96 mortos e centenas de feridos na considerada maior tragédia da história do futebol inglês.

 

Nesta segunda-feira, está completando 30 anos da tragédia do Estádio de Hillsborough, em Sheffield. Aquele jogo reunia as duas maiores potências do futebol inglês na década de 80, mas Liverpool e Nottingham Forest foi um jogo que não era para ter acontecido naquele local. Por conta da superlotação de um dos setores do estádio, vários torcedores do Liverpool foram pisoteados e mortos. Ao todo foram 96 mortos e 766 feridos.

 

Depois de 30 anos daquele terrível dia, as famílias das vítimas ainda clamam por justiça. Neste mês, as famílias das vítimas passaram por uma nova frustração com a indefinição de um veredicto da justiça sobre o chefe de segurança daquela partida. O responsável pela segurança da partida foi o chefe de política David Duckenfeld, que corre risco de ser condenado à prisão perpétua. Mas sem uma definição do júri, a promotoria vai pedir um novo julgamento.

 

Até o momento, em 30 anos da tragédia, a justiça apenas considerou um único culpado pela tragédia. Trata-se do ex-secretário do Sheffield Wednesday, Graham Mackrell, que é o dono do estádio de Hillsborough. A pena dele será anunciada em maio, mas não deve passar de dois anos.


CENÁRIO DA TRAGÉDIA

 

Remodelado para ser uma das sedes da Copa do Mundo de 1966, o Estádio de Hillsborough não tinha condições adequadas para receber aquela partida pesada entre Liverpool e Nottingham Forest. A escolha do local da partida foi feita pela própria Federação Inglesa, justamente para ter um campo neutro para o clássico entre as equipes.

 

A verdade é que um setor do estádio ficou superlotado por falta de controle. A polícia demorou para entender que as invasões de campo eram para tentar aliviar a situação nas arquibancadas. As autoridades não entenderam que aquilo era uma questão de sobrevivência. Naquela situação, quem não conseguiu pular o alambrado, foi severamente esmagado, pisoteado, pressionado e asfixiado.

 

Sem nenhuma estrutura devida para organizar o jogo, somado com os erros de organizações por parte da polícia, 96 torcedores morreram e outros mais de 700 ficaram feridos. Acredita-se que se houvesse uma estrutura melhor, 40 vidas seriam poupadas por conta de um atendimento médico mais eficaz.

 

O acidente aconteceu na chamada geral do estádio, local onde os torcedores assistem aos jogos em pé. Naquele setor havia sete catracas, mas uma delas estavam funcionando. Por conta disso, do lado de fora virou um funil repleto de pessoas, mas a solução apresentada custou a vida de quase 100 pessoas. Para minimizar a confusão, foi aberto um dos portões de saída. Com o aumento do fluxo de pessoas, houve uma superlotação e com isso resultou na tragédia.


CONCLUSÕES DA TRAGÉDIA E MUDANÇAS NOS ESTÁDIOS INGLESES

 

A tragédia resultou em uma abertura de um inquérito para investigar e apurar as responsabilidades e o que poderia mudar nos estádios da Inglaterra para evitar novas tragédias. Foi então que foi publicado o Relatório Taylor, criado pelo Lord Peter Murray Taylor, que mudou a forma da torcida frequentar os estádios ingleses.

 

O Relatório Taylor concluiu que a tragédia de Hillsborough aconteceu por uma falha grave na segurança. Além disso, foram criadas algumas leis para promover uma maior segurança para os torcedores. Foram abolidas do estádio as chamadas “gerais”, os muros e alambrados em torno do campo, e o aumento do número de catracas. Com isso, se tornou obrigatório ter assentos em todos os estádios dos times da primeira e segunda divisão, estando totalmente proibido de os torcedores assistirem ao jogo em pé.

 

Esse processo de modernização também foi importante para combater o hooliganismo e também na criação da Premier League, que surgiu em 1992. Hoje, a Premier League é visto como o campeonato de referência em organização e segurança para os torcedores.


À ESPERA DE JUSTIÇA

 

Depois de 30 anos daquele triste episódio, as famílias das vítimas seguem em busca de justiça, principalmente para o responsável pela segurança daquela partida. Ainda sem um veredicto da justiça, as famílias seguem trabalhando nos bastidores para que os culpados pela tragédia sejam punidos e responsabilizados.

Compartilhe:


Card image cap
profile-image
Rodrigo
Editor

Quando você ouve que o futebol vai além do que se vê é porque existem pessoas como esse cara. Rodrigão é nosso Guardiola. Acorda, come, vive e respira futebol europeu. Com passagens pelo Grupo Bandeirantes, vem dele a maioria das matérias especiais que você lê por aqui. Ah! Os trocadilhos infames também.

INSTAGRAM (Siga-nos)

@sejacampeones