Como Lisboa conseguiu se tornar a "casa" da reta final da Champions League 2019/2020

Exemplo mundial no combate ao novo coronavírus, país vai abrigar sete jogos decisivos, entre 12 e 23 de agosto.

A forma, quase exemplar, como Portugal tem combatido a pandemia do novo coronavírus foi determinante para Lisboa ser escolhida para receber o restante da atual edição da Liga dos Campeões. 

O país fechou prontamente as fronteiras terrestres, reduziu drasticamente o número de voos do exterior e decretou duas vezes o Estado de Emergência, obrigando assim o isolamento social e tem hoje 1523 mortes causadas pela COVID-19. Número considerado baixo em comparação a outros grandes centros. 

A DGS (Direção Geral da Saúde de Portugal) e a FPF (Federação Portuguesa de Futebol) foram decisivas na vitoriosa candidatura da capital de Portugal. Nos bastidores, as duas entidades se aproximaram dos principais membros da Uefa Club Competitions e usaram como trunfo as estatísticas do país durante a pandemia.

A capital portuguesa ganhou a disputa contra Frankfurt (Alemanha) e Moscou (Rússia) para abrigar sete jogos, entre 12 e 23 de agosto (quatro das quartas, dois das semis e a final).

Para ajudar a vencer essa "briga", Lisboa, desde o início de junho trabalhou para reservar hotéis e vistoriar alguns centros de treinamento, como, por exemplo, a Cidade do Futebol, onde treina a seleção portuguesa.

Atalanta, Atlético de Madrid, PSG e RB Leipzig já estão classificados para as quartas de final da competição. Porém, outros quatro jogos de volta das oitavas de final ainda precisam ser disputados. São eles: Manchester City x Real Madrid, Juventus x Lyon, Barcelona x Napoli e Bayern de Munique x Chelsea.

Tais partidas serão disputadas entre os dias 7 e 8 de agosto. Não há definição sobre onde esses jogos serão realizados: ou serão nos estádios dos mandantes ou serão em Portugal. Neste último caso, duas sedes receberiam as partidas: Porto e Guimarães.

Tanto as partidas das quartas de final quanto as partidas das semifinais serão disputadas em jogo único, assim como a finalíssima. A ideia é que seja um torneio de "tiro curto": serão 15 dias para a definição do novo campeão europeu.

A grande final, que seria disputada em Istambul, agora será no Estádio da Luz, em Lisboa, no dia 23 de agosto. A casa do Benfica recebeu a final da Champons de 2013-14, quando o Real Madrid levou "la Décima", e será uma das sedes da Eurocopa de 2021.

O Estádio da Luz, do Benfica, e o Estádio de Alvalade, do Sporting, serão os palcos das partidas, todas com portões fechados - existe a possibilidade de a decisão ter público, mas, a princípio, vai depender de novas atualizações.

Datas:
7 e 8 de agosto: Jogos que restam das oitavas (locais a definir)
12 a 15 de agosto: Quartas (Lisboa)
18 e 19 de agosto: Semi (Lisboa)
23 de agosto: Final (Lisboa)

Novas regras:
- Inclusão de três novos jogadores na lista de inscrição (máximo de 25 nomes);
- Permissão de cinco substituições por jogo;