×
90 segundos de leitura

Especial Champions: As 12 finais inesquecíveis do torneio

por Redação


Postado em 25 May 2018 as 03:03 Horas



Neste sábado, Real Madrid e Liverpool decidirão mais um título europeu. O Real Madrid, com 12 títulos quer buscar o terceiro troféu seguido na competição, enquanto isso o Liverpool quer a sua sexta conquista que não vem desde a temporada 2004/05.

Em uma história rica, a Liga dos Campeões já proporcionou várias decisões interessantes e inesquecíveis para nós amante do futebol europeu. A maioria dessas decisões reservam grandes emoções e surpresas.

A Liga dos Campeões existe desde a temporada 1955/56, quando o Real Madrid conquistou o título ao vencer o Stade de Reims. De 1993 pra cá, a Liga dos Campeões tomou um novo formato que conhecemos até hoje e proporcionou várias decisões memoráveis.

Ao longo desses mais de 60 anos de história, nomeamos as 12 maiores finais da Liga dos Campeões e você verá tudo que aconteceu nessas partidas. Confira:

REAL MADRID 4 X 3 STADE DE REIMS – TEMPORADA 1955/56

Disputada no Parque dos Príncipes, em Paris, a primeira final de Liga dos Campeões foi entre Real Madrid e Stade de Reims. A primeira final foi um grande espetáculo e de muita entrega dos dois times, No entanto, o Real Madrid de Francisco Gento, Alfredo Di Stéfano e Héctor Rial venceu por 4 a 3 com muito custo o Stade de Reims de Raymond Kopa e Michel Hidalgo.

Nos 10 primeiros minutos, o Reims abriu o marcador com Leblond e Templin. Porém, Di Stéfano e Rial conseguiram o empate antes do intervalo. No segundo tempo, o Reims fez o terceiro com Hidalgo, mas Marquito tratou de igualar logo em seguida. No final do jogo, faltando 11 minutos para o apito final, o espanhol Héctor Rial marcou o gol do título do Real, o primeiro de sua gloriosa história. Foi o primeiro dos cinco seguidos que os Blancos conquistaram na competição.

REAL MADRID 7 X 3 EINTRACHT FRANKFURT – TEMPORADA 1959/60

Trata-se da final com maior números de gols da história da competição. Treinada por Miguel Muñoz e liderada por Di Stéfano, Paco Gento, Ferenc Puskas e Santamaría, o Real Madrid massacrou o time alemão, que mesmo saindo na frente do marcador viu Di Stéfano e Puskas darem uma aula de futebol para mais de 125 mil pessoas no Estádio Hampden Park, em Glasgow.

Sobre o jogo, Kress abriu o placar para o Frankfurt aos 18 minutos, Depois veio o massacre dos Blancos, com três gols de Alfredo Di Stéfano e mais quatro de Ferenc Puskas no segundo tempo, o Real acabou com o jogo. Stein, nos minutos finais marcou mais dois gols para os alemães, mas a reação parou por ali mesmo.

Foi o quinto título seguido do Real Madrid e uma consolidação de uma dinastia que a Europa jamais viu, que foi de um clube ganhar cinco títulos consecutivos de Liga dos Campeões.

BENFICA 5 X 3 REAL MADRID – TEMPORADA 1961/62

O Real Madrid entrou em campo na final da Liga dos Campeões de 1962 para encarar nada mais, nada menos que o atual campeão Benfica liderados pelo craque Eusébio. Campeões em 1961, o Benfica treinado pelo lendário treinador húngaro Béla Guttmann venceu os Merengues pelo placar de 5 a 3, em um jogo emocionante no Estádio Olímpico de Amsterdã.

Foi a primeira grande derrota em finais do Real Madrid, de Di Stéfano e Puskas. A hegemonia de Béla Guttmann no comando do time e de Eusébio durou duas temporadas. Depois da saída do treinador húngaro, o Benfica nunca mais conquistou nenhum título de Champions. Na sua saída do Benfica, o treinador disse: “Nenhuma outra equipe portuguesa será bicampeã europeia e o Benfica sem mim jamais ganhará uma Copa dos Campeões nos próximos 100 anos”. Uma maldição que os benfiquistas encaram até hoje.

Sobre aquele jogo na Holanda, o Benfica teve auxílio do gênio Eusébio e de seus companheiros Coluna, Calado e Saraiva para vencer o Real Madrid por 5 a 3. Apesar de os Merengues terem vencido o jogo no primeiro tempo de jogo por 3 a 2, com direito a um hat-trick de Puskas, o Benfica brilhou no segundo tempo, com gol de Coluna e dois de Eusébio para garantir a conquista do bicampeonato europeu do Benfica.

AJAX 2 X 0 INTER DE MILÃO – TEMPORADA 1971/72

No ano de 1972, o Ajax, que já vivia o seu auge do “futebol total” chegou ao segundo título de sua história vencendo a Inter de Milão pelo placar de 2 a 0, no Estádio De Kuip, em Roterdã, que é a casa do seu rival Feyenoord, que foi campeão europeu na temporada 1969/70.

Liderados pelo maestro Johan Cruyff, o Ajax venceu os italianos com dois gols do craque holandês no segundo tempo. Na verdade, o time italiano não viu a cor da bola. Foi uma dominância absurda do Ajax, que mereceu a conquista.

Foi exatamente com Cruyff dentro de campo que o Ajax conquistou três títulos seguidos na Liga dos Campeões e consolidar uma hegemonia no futebol europeu.

 

BAYERN DE MUNIQUE 4 X 0 ATLÉTICO DE MADRID – TEMPORADA 1973/74

A primeira conquista do Bayern de Munique na história da Liga dos Campeões foi disputada em duas partidas no Estádio de Heysel, em Bruxelas. A primeira, foi um empate de 1 a 1, com gols de Schwarzenbeck e Luis Aragonés, ambos no tempo extra.

No jogo do tira-teima, o Bayern de Munique dominou os espanhóis e aplicou uma goleada pelo placar de 4 a 0, com dois gols de Uli Hoeness, hoje presidente do Bayern de Munique, e dois gols do magnífico Gerd Müller.

Foi o início de uma hegemonia que durou três anos, com três conquistas de Champions League, com aquele grande Bayern de Munique de Franz Beckenbauer, Paul Breitner, Gerd Müller e Cia.

Curiosamente, o time base do Bayern de Munique jogou a Copa de 1974 e conquistou o título desbancando o Carrossel Holandês na grande final, em Munique.

MILAN 4 X 0 BARCELONA – TEMPORADA 1993/94

O quinto título de Liga dos Campeões do Milan aconteceu na temporada 1993/94, quando o time treinado por Fabio Capello deu uma tremenda surra no grande time do Barcelona, de Romário, Hristo Stoichkov e Ronald Koeman, treinados pelo lendário Johan Cruyff.

A goleada rossonera pelo placar de 4 a 0, no Estádio Olímpico de Atenas, deixou o mundo do futebol boquiabertos devido a tremenda partida que o Milan realizou, Os gols da partida foram marcados por Daniele Massaro, Dejan Savicevic e pelo francês Marcel Desailly.

Naquele jogo, o Barcelona não conseguiu sequer atacar o sólido time do Milan. Foi o fim daquele Dream Team do Barcelona comandado por Cruyff, que ficou no comando do Barça até 1996.

MANCHESTER UNITED 2 X 1 BAYERN DE MUNIQUE – TEMPORADA 1998/99

Sem dúvida, uma das maiores finais da história da Liga dos Campeões e uma das reviravoltas mais marcantes da história do futebol. Manchester United e Bayern de Munique fizeram a final da Liga dos Campeões de 1999, no Camp Nou lotado para ver um jogo magistral entre as duas equipes.

O Manchester United conquistou a sua segunda Liga dos Campeões na sua história ao vencer o Bayern de Munique pelo placar de 2 a 1. A equipe inglesa liderada por David Beckham, Ryan Giggs, Teddy Sheringham, Andy Cole, Dwight Yorke e Peter Schmeichel superou o Bayern Munique de Lothar Matthäus com dois gols nos acréscimos.

Mario Basler, de falta, marcou logo aos seis minutos de jogo. No entanto, depois de um jogo tenso, nervoso e com muitas oportunidades, o United chegou a virada nos minutos finais. Aos 46, após escanteio de Beckham, Sheringham aproveitou a confusão na área para marcar o gol de empate. Aos 48, em novo escanteio de Beckham, foi a vez do atacante norueguês Solskjaer desviar com o pé, após a cabeçada de Sheringham, para marcar o gol da virada mais sensacional da história da Champions.

O improvável aconteceu naquele grande jogo e a cena final de Lothar Matthäus sem chão após o apito final, ficou marcada na memória de muitos amantes do futebol. Foi o primeiro título do United sob o comando de Alex Ferguson, o maior treinador da história do Diabos Vermelhos.

LIVERPOOL 3 X 3 MILAN – TEMPORADA 2004/05

Outra final incrível de Liga dos Campeões aconteceu em 2005 entre Milan e Liverpool. Naquele grande jogo no Estádio Olímpico de Antaturk, em Istambul, o Milan abriu 3 a 0 no intervalo, mas cedeu o empate ao Liverpool no segundo tempo e perdeu na decisão por pênaltis pelo placar de 3 a 2.

Aquele jogo começou com Maldini abrindo o placar logo no primeiro minuto de jogo. No final do primeiro tempo, o Liverpool teve um apagão e Crespo marcou dois gols, aos 39 e 44 minutos, encaminhando a conquista.

No segundo tempo, o Milan voltou para o segundo tempo com a missão de apenas segurar o resultado para erguer mais uma taça, mas o Liverpool aproveitou de uma pane geral do time de Carlo Ancelotti para marcar três gols em seis minutos.

Aos 9, Gerrard diminuiu para os Reds. Dois minutos depois foi a vez de Smicer, meio-campista tcheco, marcar o segundo. Aos 15, Gattuso derrubou Gerrard na grande área e o árbitro Mejuto González marcou pênalti. Na cobrança, Xabi Alonso bateu, mas Dida defendeu e deu rebote para o espanhol empatar a partida.

Depois disso, o Milan teve chances para matar o jogo. Um dos lances mais incríveis foi de Shevchenko, na prorrogação, quando o ucraniano cabeceou o cruzamento de Serginho e Dudek defendeu na primeira e ainda evitou o gol de Sheva no rebote.

Nas penalidades a estrela do goleiro polonês Jerzy Dudek brilhou. Serginho iniciou a decisão ao chutar o seu pênalti para fora. Depois, Dudek defendeu os penais de Pirlo e Shevchenko para garantir mais um caneco europeu para os Reds, em uma virada inesquecível.

MANCHESTER UNITED 1 X 1 CHELSEA – TEMPORADA 2007/08

O primeiro título de Cristiano Ronaldo na Liga dos Campeões foi em 2008 com o Manchester United e a final foi contra o Chelsea. O atacante português foi de herói a quase vilão no jogo disputado em Moscou. No tempo normal tivemos o empate de 1 a 1, com gols de Cristiano Ronaldo e Frank Lampard.

Na decisão por pênaltis o experiente goleiro holandês Van der Sar foi quem garantiu a taça para os Red Devils. Cristiano Ronaldo perdeu seu pênalti na decisão e o United contou com um escorregão de John Terry, que isolou a sua cobrança e a decisão foi para as alternadas. Foi então, que Van der Sar defendeu o pênalti de Anelka para levar o United ao topo da Europa pela terceira vez seguida.

Foi o segundo titulo de Sir Alex Ferguson no comando do Manchester United.

BARCELONA 3 X 1 MANCHESTER UNITED – TEMPORADA 2010/11

A grande final de 2011 entre Barcelona e Manchester United foi o maior nó tático que Sir Alex Ferguson tomou na sua carreira. Sob o comando de Pep Guardiola, o Barcelona sobrou diante do United e venceu o jogo pelo placar de 3 a 1, em Wembley.

O grande nome do jogo foi o craque Lionel Messi. Foi o terceiros dos quatro títulos europeus do argentino com a camisa do Barcelona. Sobre o jogo. Pedro abriu o marcador, Rooney empatou a partida ainda no primeiro tempo. No segundo tempo, Messi marcou o dele e ainda viu David Villa marcar o terceiro no jogo, que marcou a despedida de Van der Sar dos campos aos 40 anos de idade.

Liderados por Xavi, Iniesta, Messi, Puyol e Cia, o Barcelona conquistava a segunda taça de Liga dos Campeões sob o comando de Guardiola

 

CHELSEA 1 X 1 BAYERN DE MUNIQUE – TEMPORADA 2011/12

A consagração do Chelsea na era Roman Abramovich aconteceu na temporada 2011/12. Foi também a consagração do atacante Didier Drogba, um dos maiores da história dos Blues.

Na grande final, o Chelsea encarou o Bayern de Munique, justamente na casa do rival, o Allianz Arena. O jogo foi pegado, nervoso e com chances perdidas para ambos os lados. Os gols foram apenas no final. Aos 38 do segundo tempo, Thomas Müller marcou o gol que seria do título, mas Didier Drogba, no finalzinho marcou o gol de empate, que levou a decisão para os pênaltis. Ainda vale lembrar que Robben perdeu um pênalti quando o jogo estava 1 a 1 e que poderia ter sido do título.

Na decisão por pênaltis, o goleiro Petr Cech defendeu uma cobrança e Schweinsteiger perdeu outro chutando na trave. No final, coube a Drogba converter o pênalti final para que o Chelsea levantasse a sua primeira taça de campeão europeu em sua história. Final 4 x 3 para o Chelsea nos penais.

REAL MADRID 4 X 1 ATLÉTICO DE MADRID – TEMPORADA 2013/14

Jogando no Estádio da Luz, o Real Madrid, treinado por Carlo Ancelotti, encarou o seu rival Atlético de Madrid na grande decisão europeia de 2014. O jogo foi sensacional. Godín abriu o placar aos 36 minutos do segundo tempo, enquanto Sérgio Ramos achou o gol de empate aos 48 minutos do segundo tempo, em cobrança de escanteio de Modric, quando tudo caminhava para o inédito título do Atlético.

Abalados com o gol sofrido no final, o Atlético de Madrid foi presa fácil para o Real Madrid no tempo extra. Com gols de Bale, Marcelo e Cristiano Ronaldo, o Real levantava a sua décima taça de campeão europeu.

Vale lembrar que na temporada 2015/16, o Real voltou a fazer uma final europeia contra o Atlético. Naquele jogo, o time empatou no tempo normal por 1 a 1 e levantou mais uma taça ao vencer os Colchoneros nos pênaltis.

 

Compartilhe: