×
90 segundos de leitura

Especial: Real Madrid busca o tri da Champions para eternizar Cristiano Ronaldo ao lado de Di Stéfano, Cruyff e Gerd Müller

por Redação


Postado em 25 May 2018 as 03:03 Horas



A final da Liga dos Campeões entre Real Madrid e Liverpool é tratada com grande importância para o craque Cristiano Ronaldo. Se vencer o duelo deste sábado, em Kiev, o craque português pode se consolidar como peça-chave de nova hegemonia europeia por parte dos Merengues e entrar para um grupo seleto de craques antigos que conquistaram a Liga dos Campeões três vezes seguidas pelo mesmo time. São eles: Alfredo Di Stéfano (Real Madrid), Johan Cryuff (Ajax) e Gerd Müller (Bayern de Munique).

Com 12 conquistas, o Real Madrid é o vencedor absoluto da Liga dos Campeões, sendo que o time espanhol vem de duas conquistas consecutivas, além de ser a sua quarta final disputada nas últimas cinco temporadas.

A motivação do Real em colecionar conquistas é enorme. A bola da vez é arrematar o tricampeonato consecutivo, feito alcançado só em outras três oportunidades, por Bayern de Munique, Ajax e – adivinhe – o próprio Real Madrid, que, na verdade, se sagrou pentacampeão na ocasião, isso lá entre 1956 e 1960, naquele famoso e lendário time liderados por Alfredo Di Stéfano, Gento, e posteriormente, com Raymond Kopa e Ferenc Puskas.

A verdade é que se o Real vencer o Liverpool neste próximo sábado, podemos assegurar que o craque Cristiano Ronaldo poderá entrar neste grupo seleto e consolidar uma era vitoriosa do Real Madrid no futebol europeu. Seria um novo reinado liderado pelo português e que já foi de outros craques citados acima.

CR7 GOLEADOR E LÍDER DO TIME NAS ÚLTIMAS TRÊS EDIÇÕES DA CHAMPIONS

Um dos argumentos que sustentam a tese de que Cristiano Ronaldo pode consolidar um reinado na Europa com o Real Madrid é o fato de o atacante ter sido o artilheiro das últimas três competições. Na verdade, ele ostenta o posto de artilheiro do torneio nas últimas seis edições contanto com a atual. Ele só dividiu o posto de maior goleador na temporada 2014/15 ao lado de Messi e Neymar, com 10 gols.

O Real Madrid segue funcionando em torno de Cristiano Ronaldo, mas trata-se de um time coletivo, que tem um homem gol capaz de mudar os rumos de uma partida.

Na campanha atual do Real Madrid, o craque marcou 15 gols. Nas duas campanhas anteriores da Champions que também resultaram no título Merengue, o craque luso também foi o artilheiro, com 12 gols na temporada passada, e 16 gols na temporada retrasada.

Na temporada 2015/16, o Real Madrid foi campeão europeu vencendo o Atlético de Madrid nas penalidades máximas, por 5 a 3, após o empate de 1 a 1 no tempo regulamentar. Na temporada 2016/17, o time espanhol goleou a Juventus pelo placar de 4 a 1, com Cristiano Ronaldo sendo o destaque, com dois gols.

Nesta temporada, o Real encara a sensação Liverpool, que tem Mohamed Salah como a principal estrela de um time muito bem montado por Jürgen Klopp. Será esse o maior desafio do Real e de CR7 para colocar o português como um dos líderes de um reinado absoluto dos Blancos na história da Champions.

A fama de artilheiro por parte de Cristiano Ronaldo vem desde os tempos de Manchester United. onde ele conquistou uma Liga dos Campeões no ano de 2008 ao derrotar o Chelsea nos pênaltis, em Moscou. Ao todo são 153 partidas do português no torneio, com incríveis 121 gols marcados.

Ainda vale lembrar que caso o Real Madrid derrote o Liverpool, será a primeira vez que um clube leva três taças em sequência desde as mudanças de nome e formato da competição, que ocorreu na temporada 1992/93.

 

A PRIMEIRA DINASTIA EUROPEIA ACONTECEU COM O DI STÉFANO NOS ANOS 50

Alfredo Di Stéfano é considerado o maior craque de todos os tempos do Real Madrid. Para muitos torcedores, a história do Real Madrid no futebol começa com a chegada do argentino no ano de 1953.

Foi com ele em campo, que o Real Madrid conquistou as primeiras cinco edições da Liga dos Campeões entre 1956 e 1960. Foram finais absurdas, no qual o Real venceu o Reims, Fiorentina, Milan, Reims novamente e o Eintracht Frankfurt.

Somando as três campanhas iniciais, Di Stéfano anotou 22 gols e foi artilheiro em 1957/58, com 10. No período, um a cada três gols foi do craque que liderou o time ao lado de Héctor Rial e Joseíto.

Di Stéfano era obcecado por marcar gols e ganhar títulos assim como Cristiano Ronaldo. No entanto, os primeiros três títulos europeus com o Real foi Di Stéfano que liderou a dinastia. Os dois títulos seguintes foram com a ajuda de Puskas e Kopa, além de outros astros.

A SEGUNDA DINASTIA EUROPEIA FOI COM JOHAN CRUYFF E O AJAX NOS ANOS 70

Foi a era do futebol total na Holanda e a estrela que comandava este estilo de jogo era o lendário Johan Cryuff, O grande fundador do futebol total na Holanda foi Rinus Michels e foi ele que comandou o Ajax no primeiro título europeu do time em 1971 e depois o treinador romeno Stefan Kovács assumiu as engrenagens do carrossel e fez o time seguir voando.

No entanto, foi na temporada 1970/71 que nasceu o famoso Carrossel Holandês, que rendeu três títulos europeus consecutivos com o Ajax e um vice-campeonato mundial na Copa do Mundo de 1974, na Alemanha.

Em 1971, o Ajax derrotou os gregos do Panathinaikos pelo placar de 2 a 0, com Cruyff liderando o time, mas os gols foram de Haan e van Dijk. Em 1972, o craque holandês marcou os dois gols do Ajax na vitória por 2 a 0 diante do forte time da Inter de Milão. O detalhe é que o Ajax foi campeão invicto naquela edição, com nove jogos, sete vitórias e dois empates.

Em 1973, para completar a trica de títulos europeus, o Ajax venceu a Juventus por 1 a 0, com gol de Johnny Rep. Foi assim a grande dinastia do Ajax, de Cruyff na Europa. Posteriormente, ele foi fazer história com a camisa do Barcelona.

A TERCEIRA DINASTIA NOS PÉS DE GERD MÜLLER COM O BAYERN DE MUNIQUE

Depois da dinastia do Ajax, que foi desmontado com os craques indo jogar em outros clubes importantes da Europa, o Bayern de Munique foi quem herdou o poder dos holandeses.

A passagem de bastão foi tão simbólica, já que a final da Copa do Mundo de 1974 teve confronto final entre Holanda e Alemanha Ocidental, onde os alemães venceram os holandeses, de virada, por 2 a 1, com Gerd Müller marcando o gol do título.

O Bayern de Munique sagrou-se campeão europeu em 1974, 1975 e 1976, com um time muito forte liderados por Beckenbauer, Breitner e Gerd Müller, que era o goleador do time. Somada as três temporadas de conquistas, Gerd Müller marcou 18 gols e foi o grande nome do time no ataque.

Conhecido como o “Bombardeiro”, o alemão Gerd Müller já se destacou com a Alamanha na Copa do Mundo de 1970, quando foi semifinalista, naquele lendário jogo contra a Itália. Em 1974, veio a consagração com o título mundial para cima da Holanda, e posteriormente os alemães mandaram por três anos seguidos na Europa com o Bayern de Munique.

Em 1973/74, no replay da final contra o Atlético de Madrid, após empate por 1 a 1, Gerd fez dois gols na vitória por 4 a 0. Diante do Leeds United, na decisão de 1974/75, ele fez o último gol no triunfo por 2 a 0. Na campanha do título de 1975/76, coube a Roth o gol decisivo diante do emergente Saint-Étienne, mas Müller foi decisivo durante a campanha daquele ano, principalmente no duelo semifinal contra o Real Madrid, quando ele marcou os três gols dos bávaros na grande vitória por 3 a 1.

Depois da dinastia dos alemães, veio duas temporadas seguidas de domínio do Liverpool, comandado pelo treinador Bob Paisley entre 77 e 78. Depois, o lendário treinador Brian Clough comandou o Nottingham Forrest em duas conquistas europeias seguidas entre 79 e 80. Posteriormente, Liverpool (1981) e Aston Villa (1982) comandaram o domínio do futebol inglês na Liga dos Campeões.

Agora, fica a expectativa se Cristiano Ronaldo entrará para este seleto grupo de reinados na história da Liga dos Campeões. Qual é a sua aposta?

Compartilhe: